Cortes destrutivos



Destrutivos formatos de áudio

O arquivos foram selecionados CBR possivelmente, o VBR redução do peso… ou aumentando, se necessário, configurações com mais avançado e, portanto, pelo menos comparável.

O OGG Vorbis e AAC tendo apenas “falso” CBR , por isso irá VBR com os menos possíveis variações. O VBR ser preferido nas qualidades inferiores , utilizado para de streaming (rádios, por exemplo, linhas).

O 4 formatos são testados:

kastor soft- Arquivos mp3, codificado com Lame MP3 versão 3.99

– Arquivos ogg, codificados com Codificador Ogg Vorbis Free Mp3 Wma Converter M4a V1.5

– Arquivos wma, codificados com o codec Microsoft Free Mp3 Wma Converter M4a V1.5

– Arquivos aac, codificado com FAAC V1.28

Formatos MPC, mp3Pro etc.. não foram testados por causa de sua baixa utilização.

Níveis de qualidade testados:

– O superior:
mp3 – wma – ogg – aac 320 kbps
mp3 – wma – ogg – aac 256 kbps
mp3 – wma – ogg – aac 192 kbps

- A qualidade média
mp3 – wma – ogg – aac 160 kbps
mp3 – wma – ogg – aac 128 kbps


– Baixa qualidade




3 As respostas ao “Cortes destrutivos”

  1. Vicente

    Olá,

    Utilizando o mesmo método e com o mesmo ficheiro AAC 400 kbps, Eu não vejo nenhuma perda (confirmada pela comparação dos valores numéricos no Excel).
    Surpreso para formatar destrutivo.
    Dano se for confirmado como mídia teto salão jogadores geralmente lendo 320 kbps.

    Responder
    • Florent

      Interessante, codificador que você usa ? O iTunes não oferece nada além de 320k (ALAC distante que gira em torno de 800k).

      Responder
  2. defdefd

    E se você testar o mp3 freeformat > 320kbps ?

    Responder

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar a tese HTML Tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>